Total visualizações de páginas, desde Maio 2008 (Fonte: Blogger)

Calcule seu Peso Ideal
Sexo: M F
Sua altura: m
Segure seu punho com o indicador e o polegar da outra mão. Seus dedos se tocam?
Não Sim, justos Sim, e sobram

quarta-feira, 22 de março de 2017

P306 - GUINÉ: (D)O OUTRO LADO DO COMBATE: MINA ACCIONADA PELA VIATURA DE PEDRO PIRES, EM 17 DE MARÇO DE 1972, NA REGIÃO DE SANSALÉ (BOKÉ)


Eis, mais uma narrativa, esta relacionada com o episódio da mina accionada, em 17 de Março de 1972, pela viatura do dirigente do PAIGC, Pedro Pires, e que se enquadra no conceito das «más notícias» divulgadas por Amílcar Cabral (1924-1973).

Com um forte abraço de amizade.

Jorge Araújo.


Mar/2017


    Foto do blogue "Webguinee.net" com devida vénia!




GUINÉ
Jorge Alves Araújo, ex-Furriel Mil. Op. Esp./RANGER, CART 3494
(Xime-Mansambo, 1972/1974)
GUINÉ: (D)O OUTRO LADO DO COMBATE
AS MÁS NOTÍCIAS DE AMÍLCAR CABRAL [1924-1973]
- MINA ACCIONADA PELA VIATURA DE PEDRO PIRES,
EM 17 DE MARÇO DE 1972, NA REGIÃO DE SANSALÉ (BOKÉ) -

1.   INTRODUÇÃO

Iniciámos no P293 a publicação de factos manuscritos por Amílcar Cabral (1924-1973), a que chamou de «más notícias», seleccionados (com a devida vénia) da sua vasta correspondência existente nos arquivos da Casa Comum, Fundação Mário Soares, e que segundo as suas notas, tiveram por destinatários os principais chefes militares, chamando a sua atenção para alguns fracassos contabilizados durante as actividades da guerrilha.

A presente narrativa retoma, com efeito, o mesmo conceito de «más notícias» dando-vos conta de uma outra ocorrência (efeméride) esta verificada há, precisamente, quarenta e cinco anos, em 17 de março de 1972, igualmente uma sexta-feira como a deste ano.

As más notícias de hoje reportam-se à carta enviada ao seu camarada Pedro Pires, em 18 de março de 1972, esta relacionada com o accionamento de uma mina, colocada em território da Guiné-Conacri, no itinerário entre Sansalé e Boké, por uma viatura (pesada?) onde seguiam entre outros dirigentes do PAIGC, o referido Pedro Pires e, ainda, Bacar Cassamá, que saíram ilesos, mas onde se registaram algumas perdas humanas que no entanto não foram identificadas e/ou referidas na sua carta, nem tampouco quantificadas.

Mapa da região sul da Guiné, assinalando-se o local do acidente, no itinerário Sansalé-Boké, em território da Guiné-Conacri.



2.   AS MÁS NOTÍCIAS DE AMÍLCAR CABRAL
- O episódio da mina accionada pela viatura de Pedro Pires

Este episódio ocorreu em 17 de março de 1972, uma sexta-feira, fez quarenta e cinco anos. Partindo do pressuposto de que serão poucos, certamente, os que dele têm conhecimento, tomei a iniciativa de o partilhar convosco, como tem sido meu hábito.

Nessa sua missiva enviada a Pedro Pires (n-1934-04-29), lamentando o sucedido, Amílcar Cabral refere que ele é (era) “fruto da traição dos nossos próprios irmãos”, situação que haveria de repetir-se consigo próprio, dez meses depois, em 20 de janeiro de 1973, ao ser assassinado em Conacri por membros do seu próprio partido, facto histórico amplamente divulgado nos mídia, e já do domínio público.

Quanto ao conteúdo transmitido, aqui vos deixo a sua totalidade, transcrevendo-o, e adicionando-lhe pequenos detalhes, colocados entre parênteses rectos.

O original está colocado no final, bem como referida a sua fonte.

2.1        – A carta de Amílcar Cabral para Pedro Pires escrita
                em 18 de março de 1972
Citação:
Desconhecido (s.d.), "O camarada Pedro Pires, Comissário de Estado-Adjunto para as Forças Armadas.", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_11279 (2017-3-22)
Conacri, 18 de Março de 1972
Meu caro Pires,
Algumas palavras apenas para te dizer que foi para mim uma grande surpresa saber, pela tua carta de 17 de Março [ontem], que tu estavas no carro [provavelmente uma viatura pesada] que caiu na mina na estrada de Sansalé [região de Boké, República da Guiné]. Vi bem que na mensagem [provavelmente um telegrama] dizias caímos, mas pensei que fosse apenas maneira de exprimir nossa.
Temos ainda mais razões, portanto – e grandes, meu Deus – para sentir profundamente o que se passou, fruto da traição dos nossos próprios irmãos, ao serviço dos criminosos colonialistas tugas. Compreendo perfeitamente a tua tristeza ou indignação perante o acontecimento, e só agradeço a todos os deuses e irans [irãs] o não termos tido mais perdas [não quantificadas], a tua vida e a do Bacar [Cassamá], e a de outros camaradas terem sido preservadas.

Citação:
Bruna Polimeni (Ago’1971), "Amílcar Cabral, Constantino Teixeira e Bacar Cassamá entre outros militares do PAIGC", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43310 (2017-3-16)



Dada a gravidade do caso escrevi uma informação ao [Ahmed] Sekou Touré [1922-1984], da qual te envio uma cópia. Hoje, dentro de meia hora, vou falar com ele sobre este assunto, que é do nosso interesse comum e que devemos resolver com urgência.
Bem gostaria de estar contigo agora para falarmos sobre este assunto – e sobre esta condição própria às lutas como a nossa que é a traição daqueles por quem lutamos e sofremos. Espero no entanto ver-te o mais breve possível. Lamentando, é certo, os camaradas perdidos e feridos, cujos nomes espero me indiques, regozijo-me no entanto em saber-te bem, ileso e, como sempre, decidido a dar tudo pela vitória do nosso Partido, ao serviço do nosso povo.
Todos te cumprimentamos com saudade.
Fraternalmente, Amílcar Cabral.


Fonte:
Instituição: Fundação Mário Soares
Pasta: 07166.005
Assunto: Manifesta a sua surpresa por Pedro Pires se encontrar no carro que caiu na mina na estrada de Sansalé, colocada pelos “irmãos ao serviço dos criminosos colonialistas”. Refere que escreveu uma informação ao Sekou Touré, dada a gravidade do caso.
Remetente: Amílcar Cabral.
Destinatário: Pedro Pires
Data: Sábado, 18 de Março de 1972
Fundo: Pedro Verona Pires
Tipo Documental: Correspondência

 

Obrigado pela atenção.
Um forte abraço de amizade com votos de muita saúde.
Jorge Araújo.
18MAR2017

Vd. poste anterior da série: 

P293 - Perdemos 16 camaradas e 1 companheiro cubano [Pedro Casimiro], tendo mais 12 camaradas sido feridos. Um desastre devido a erro imperdoável (PAIGC

Sem comentários: